Neuropulse

Neuro Pulse

Artigos

VEJA MAIS ARTIGOS »

03/08/2017

Neuropatia diabética

A Neuropatia Diabética (ND) é definida como a “presença de sintomas e ou sinais de disfunção dos nervos periféricos em pessoas com diabetes mellitus (DM), após a exclusão de outras causas*”, conforme descrito nas Diretrizes para o Diagnóstico e Abordagem Ambulatorial da Neuropatia Diabética Periférica.

Complicações neurológicas relacionadas ao DM são muito comuns e o comprometimento do sistema nervoso periférico pode ocorrer em até 50% dos pacientes.

O principal fator de risco é a hiperglicemia: mesmo alterações mínimas, como as observadas nos quadros de intolerância à glicose (pré-DM), podem provocar danos nas fibras nervosas e provocar sintomas importantes. Tabagismo, dislipidemia, microalbuminúria parecem contribuir para o surgimento da doença. Outros fatores de risco não modificáveis são: idade, altura e duração da doença; motivos pelos quais a polineuropatia diabética ser mais frequente nos homens (quanto mais altos, maior o comprimento do nervo e maior a chance de lesão), idosos e com longa duração da doença.

O tipo mais comum de manifestação da neuropatia diabética é a polineuropatia diabética clássica (PND):
Ocorre em até 90% dos casos, com sintomas sensitivos positivos (dor, queimor e formigamento) e negativos (dormência e perda da sensibilidade tátil e dolorosa) das extremidades inferiores, seguido por fraqueza muscular distal, lentamente progressiva. Os achados eletroneuromiográficos são compatíveis com uma polineuropatia sensitivo-motora axonal e simétrica, com padrão comprimento-dependente.

Outras apresentações clínicas menos comuns são:
•    Polineuropatia de fibras finas: sintomas sensitivos positivos (dor intensa, em queimação), pior ao repouso e durante à noite. Presente em até 11-13% dos casos de intolerância à glicose (pré-diabetes mellitus).
•    Polineuropatiaautonômica: geralmente ocorre após o comprometimento clássico da PND, com sintomas de gastroparesia (empachamento, sensação de repleção abdominal), sintomas genito-urinários (impotência sexual) e cardíacos (hipotensão postural: queda abrupta da pressão arterial ao se levantar; tonturas).
•    Neuropatia dolorosa aguda: dor intensa, perda de peso acentuada, com alterações sensitivo-motoras leves.
•    Focais e multifocais: Cranianas, tóraco-abdominais, compressivas (síndrome do túnel do carpo, síndrome do túnel cubital, síndrome do túnel do tarso), amiotrofia proximal diabética, entre outras.
•    E por fim, uma polineuropatia inflamatória desmielinizante crônica (PIDC).

Quanto mais precoce o diagnóstico da polineuropatia diabética, melhor será a resposta às medidas terapêuticas instituídas:
1) Controle rigoroso do perfil glicêmico (medicamentos, insulina, dieta e atividade física) e dos outros fatores de risco cardiovasculares (tabagismo, dislipidemia, obesidade);
2) Ácido Tiótico: reduz o estresse oxidativo, com alívio de sintomas positivos e déficits neuropáticos;
3) Tratamento sintomático da dor neuropática: uma série de medicamentos que podem ser usados de acordo com o perfil do paciente e sua tolerância:

•    Antidepressivos tricíclicos (amitriptilina, imipramina, nortriptilina);
•    Inibidores da recaptação da serotonina e norepinefrina (duloxetina);
•    Antagonistas de Canais de Cálcio (gabapentina, pregabalina);
•    Opióides (tramadol, oxicodona);
•    Tópico (capsaicina).

*OUTRAS CAUSAS que podem ser confundidas com uma polineuropatia diabética ou pioradas por um estado metabólico hiperglicêmico:

•    Doenças infecciosas: hepatite, HIV, hanseníase;
•    Deficiência de vitaminas: B1, B6, B12;
•    Abuso de certos medicamentos;
•    Abuso de álcool;
•    Certos tipos de tumores.

Autoria: Dr. Jean de Oliveira Ramos